PESSOAL TOP POSTS
14/11/2016

Relato completo do meu parto

 

Olá meninas

Peço desculpas pela demora em relatar meu parto, estou me adaptando ainda , tudo é novidade, mas como prometido hoje aproveitei um cochilo mais longo do Aarão e finalmente consegui finalizar! rs

Então vou contar para vcs como tudo começou de trás para frente.

Um dia antes, na quinta, quando completei 40+3 fui na última consulta e minha médica fez um  ultrason para verificar como estava o Aarão na barriga. Estava tudo bem, a posição, o cólo fino e era só uma questão de esperar mesmo a hora dele. Mas essa hora tinha um “tempo” máximo para acontecer, foi quando ela me disse que quando entrasse nas 41+4 e não tivesse entrado em trabalho de parto, o mesmo teria que ser induzido, e se fosse induzido e não tivesse dilatação seria a Cesária.

Essa notícia já me deixou um pouco apreensiva, afinal, isso poderia ocorrer, e muitas meninas me mandavam mensagens dizendo para eu não esperar muito, pois poderia ocorrer isso ou aquilo e eu comecei a ficar tensa só de imaginar que meu tão querido parto natural poderia não ocorrer.

Fui embora tentando não me deixar levar por essa angústia, e coloquei nas mãos de Deus e foi o MELHOR que eu poderia ter feito e fui dormir.

As 5:30h da manhã comecei a sentir leves cólicas e me levantei para ir ao banheiro. Assim que passei o papel senti uma “geleca”, era o tampão muscoso. Nesse momento tive a certeza que meu filho iria nascer naquele dia. Voltei para cama, acordei o Beto e avisei: “Amor, seu filho nasce hoje”, comecei a rir de felicidade e nervoso pois seria naquele dia que TUDO iria acontecer.

As 6:30h as cólicas começaram a aumentar, avisei minha médica , aproveitei e tomei meu banho. O que passava na minha cabeça naquele momento era, e a bolsa? e o líquido da bolsa? será que já rompeu minha bolsa? rs

Tomei meu café da manhã, a fome era Muitaa, muita mesmo. Logo fui fazer xixi e antes mesmo de fazer, um líquido escorreu e aí pensei: “é o líquido da bolsa?”rs…e a dúvida e as contrações aos poucos começavam a chegar. Em seguida as contrações foram aumentando e junto descia um líquido, e foi aí que não tive mais dúvidas que a bolsa tinha estourado.

As 7:00h Fui avisando todo mundo, e mandando os Prints dos níveis de contrações para minha médica (sim, existe um app para você ir apertando cada vez que a contração vem, e ele te pergunta o nível de dor tbm, chama-se Contrações).

Vocês devem estar pensando, noooossa mas ela só foi avisar a Médica as 7h? Sim gente, não precisa de desespero, e nessa hora até atrapalha. É preciso ter calma, por isso prezo tanto que devemos ter o máximo de informação possível.

Avisei também minha Doula, ela viu os prints das minhas contrações e me confortou dizendo que não precisava ter ansiedade e medo e que era preciso eu esperar mais .

O tempo ia passando e aos poucos as contrações iam ficando mais fortes e continuava mandando os prints para a Dra.  Notei que ao ficar deitada as contrações demoravam para vir e quando andava elas apareciam com tudo. Eram quase 10:00h, e nesse momento comecei a ficar mais insegura. Liguei para a Doutora e ela me deixou a vontade para ir para o hospital quando quisesse. Fui.

Beto já estava bem ansioso, partiu com tudo para o hospital e no caminho as contrações apareciam e eu ia me contorcendo dentro do carro rs.

Chegando no hospital, todo mundo já estava lá me esperando. Dei entrada por volta das 11:00h da manhã, e quando subi para a sala do parto aí sim minha ficha caiu  de vez.

A sala do parto já estava toda no clima do humanizado, sem luzes, somente as luzes do céu de estrelas do teto e a da banheira. Vi que a sala de parto humanizado tinha um clima bem diferenciado  ( Perinatal da Barra-RJ) e possuía uma banheira bem legal, bola de pilates, um banheiro grande com ducha , uma banqueta e a cama. Tudo bem legal mas a dor estava tãoo forte a cada minuto que, o que eu mais queria mesmo era só um lugar no qual ficasse mais confortável para aquele momento ( se é que era possível).

As horas iam passando, e as contrações iam ficando mais fortes e toda vez que elas chegavam sentia muitooo calor e quando elas passavam , muitooo frio (por isso vcs conseguem ver nas fotos e no vídeo o Beto e a Doula me abanando o tempo todo rs). Sentia também dor no estômago e dor de barriga (devido a força exercida nas contrações). Sentia tudo gente, mais me mantia concentrada.

Ia para banheira, saía da banheira, ia para banqueta saía dela, andava , agachava enfim….quando olhei para o relógio e vi que eram 15:00h, a Dra veio ver com quantos cm estava de dilatação, e eu naquele momento estava rezando para ter uns 8cm, ela me olhou e disse que estava com 6 cm.

img_3832

Depois desse momento me senti completamente desmotivada, pois já estava muitooo cansada, sem energia, com todas as dores que você possa imaginar e ainda estava com 6cm….tudo passou na minha cabeça, todoo aquele preparo físico que fiz durante a gestação naquele momento parecia que não estava surtindo efeito…

Foi nesse momento que virei para minha médica e meu marido e disse com o semblante de tristeza e cansaço:

– Gente, acho que não vou conseguir!

Imediatamente minha médica toda calma e gentil disse para esperar mais um pouco e continuar, já o meu marido disse que era forte e que eu iria conseguir sim e minha Doula, toda calma e doce disse também que era forte e que era para me concentrar na respiração correta e vocalizar ao sentir dor. E a todo momento a minha médica media os batimentos do Aarão e via que estava tudo normal para eu prosseguir.

Depois daquele momento, eu decidi que ia continuar sim (sem nenhum medicamente para aliviar a dor) e que eu ia enfrentá-la para fazer acontecer para ver logo meu filho.

Pedia para Deus força e ele me deu, foi aí então que perguntei para minha médica qual era a melhor maneira de adiantar o processo ( sentia que Aarão estava entalado e as contrações estavam muito demoradas uma da outra), foi quando ela me disse que era para eu andar pela sala e agachar.

Pronto a partir daí o processo tomou outra dimensão, vinha a contração eu fazia toda a força do mundo, terminava eu respirava fundo e voltava a andar pela sala ( nesse momento eu estava no banquinho de parto) e fique fazendo isso por mais algumas horas.

Quando deu por volta das 17:00h eu falei que queria mudar de local que não estava mais confortável alí, foi então que elas me sugeriram ir para cama, deitada e com a pernas apoiadas abertas. Foi a melhor escolha que fiz, nem acreditava (geralmente deitada vc não tem a gravidade a favor). A partir de então coloquei minha vida em cada contração pois o Aarão já estava em processo expulsivo.

A cada contração a equipe me incentiva, a médica falava que ele estava cada vez mais perto, e que poderia até sentir a cabeça dele (ao toque). Naquele momento sentia um certo alívio pois sabia que agora as coisas estavam progredindo bem.

Um tempo depois e muitooo exausta, o Aarão finalmente coroou (a pontinha da cabeça dele podia ser vista na vagina) e as coisas novamente tomaram outro rumo. Foi daí que eu senti a maior dor da minha vida, uma sensação que eles chamam de “círculo de fogo, quando a cabeça começa a encaixar para sair.

As contrações vinham eu fazia toda a força do mundo e parecia que nada acontecia, nesse momento novamente a equipe toda e Beto me incentivavam sem parar pois estava muito próximo, mas para mim alí sem forçar, parecia uma eternidade.

Aos poucos a cabeça ia saindo, gente demorou umas 5 contrações para a cabeça passar e a DOR era muito forte (parecia que estavam colocando fogo na minha P* rs). Lembro só de fazer muita força e ao mesmo tempo pedindo a Deus mais força.

img_3833

Respirei fundo e quando veio a contração lembro de escutar um “vai, vai, vai” e Fuii com a MAIOR de TODAS as FORÇAS e de repente, a cabeça saiu e logo em seguida saiu o resto do corpo , e eu sem entender o que se passava naquela fração de segundos, foi quando eles o tiraram e já trouxeram para o meu colo e eu chorando e sorrindo tive a MELHOR de todas as sensações juntas, ver aquele bebezinho que foi gerado com tanto amor, agora estava do lado de fora mamando no meu peito. É um misto de conquista, felicidade, grandiosidade, divindade, me senti no Céu gente foi muito incrível. Beto veio para meu lado sorrindo e chorando ao mesmo tempo, olhei para ele e disse:

– Amor consegui!

E ele prontamente respondeu,

-Conseguiu amor, eu sabia!

… e logo cortou o cordão umbilical em prantos.

Que sensação única, Incrível de mais!! Toda a dor vale muito a pena, vc se senti muito forte depois que tudo termina.

E o melhor gente não teve corte, nem laceração, para vcs verem que não é todo mundo que precisa de corte, só em casos muito específicos.

img_3835

img_3834

E tudo terminou muito bem graças a Deus!

Envie suas dúvidas e comentários

  • Juliana Liz

    Simplesmente emocionante! Espero tudo isso do meu parto também! Parabéns pela sua linda família! É tudo por Deus mesmo! #abençoados!

  • Ariane Karoline

    Parabéns ariany,vc foi muito forte ..
    Ainda não sou mamãe,mais pude imaginar a sua dor e sua alegria,filhos são benção…

  • Letícia Boeck

    Estou com 30+4 e por mais estranho e incrível que possa parecer, hoje foi a primeira vez que chorei de emoção, estou te acompanhando desde que descobri minha gestação e hj lendo teu relato m imaginei no teu lugar! Estou m inspirando em ti para ter forças físicas e emocionais, para o grande dia da chegada do meu Théo!

  • Bianca

    Nossa vc foi guerreira e determinada! Qro eu poder ter tda essa sua força, mas admito q ñ sei se tenho essa coragem tda! É bem sofrido pelo q relatou o trabalho de parto, mas tbm depois q nasce, deve ser muito melhor a recuperação!!! Vc tentaria normal novamente se for ter o segundo filho??? Aí Ary assim q eu engravidar , tomará q eu mude de idéia é queira tentar o parto normal!!! Parabéns!!! Um grande bjo!!!

  • Dalila Alves

    Ary que legal seu depoimento, muito encorajador p gente q ta se preparando p engravidar. Confesso q chorei d início ao fim ao ler o nascimento do Aarão, Ary minha vó teve 16 filhos, sempre me perguntei como ela conseguiu, vejo minha vó hoje aos 93 anos como uma heroína. bjus flor, Deus cuide a tu e tua casa.

  • Larissa Nunes Da Luz

    Eu ganhei meu filho com 38+6. E oq vc descreveu ali definiu totalmente meu parto. A gente sente uma dor q acha q vai morrer, quando eles estão saindo, mais ainda, mas é tudo tão rápido, que quando a gente vê o nosso filho pela primeira vez, sente um turbilhão de sensações e emoções. O que eram aquelas dores comparado ao amor e a alegria que a gente sente ao pegar nosso bebê?!! Confesso que tenho medo de um outro parto normal. Mas sei q tudo vale a pena. Parabéns Ary, te admiro.

INSTAGRAM: @aryoficial